Porto das Salemas: um paraíso escondido à espera de ser explorado

O paraíso existe e pode ser avistado numa pequena ilha portuguesa no meio do Oceano Atlântico, mais precisamente na ilha do Porto Santo. O Porto das Salemas é um dos segredos mais bem guardados da Ilha Dourada. Localizado na costa norte, longe do centro e da azáfama da civilização, este lugar mágico encontra-se abrigado por uma pequena enseada e é muito procurado tanto por turistas portugueses como por estrangeiros. Atrevemos a afirmar que: o Porto das Salemas é um amor à primeira vista. Deste modo, reserve um dia das suas férias e coloque este destino inesquecível no seu roteiro. 

Qual é a melhor altura para visitar as piscinas naturais do Porto das Salemas?

Já imaginou alguma vez mergulhar em piscinas naturais de origem vulcânica? É o que pode fazer nestas piscinas oceânicas na ilha do Porto Santo. 

A melhor época para visitar as piscinas naturais do Porto das Salemas é entre Maio e Outubro, de modo a desfrutar de uma excelente temperatura.

Conselho de especialista: antes de visitar o Porto das Salemas, é recomendado consultar a tábua das marés (a hora da maré baixa), e dirigir-se para lá, uma hora antes da descida da maré, de forma a explorar as diversas piscinas atlânticas por muito mais tempo. Caso contrário, não conseguirá mergulhar nas águas refrescantes destas piscinas naturais com a maré alta. É importante ainda referir que o horário das marés difere todos os dias.

Não se esqueça de levar água, protector solar, comida e também ter uns óculos de sol sempre à mão para aproveitar, sem horários, este local paradisíaco. 

Como chegar?

Uma das formas interessantes de descobrir este recanto é a bordo de veículos todo-o-terreno, jipes 4x4 ou moto 4, que conseguem chegar facilmente até à praia. No entanto, se não se sentir totalmente seguro na sua condução, por se tratar de uma estrada não pavimentada, o melhor será fazer a descida e a subida a pé. Se for de automóvel, é necessário deixar o carro estacionado junto à estrada e depois seguir um trilho pedestre.

A descida rumo ao paraíso

Está pronto para embarcar numa viagem à descoberta da natureza no seu estado mais genuíno? Então siga atentamente estas instruções.

A 500 metros a norte da Camacha, deverá seguir as indicações, nomeadamente as placas que referem “Porto das Salemas”, que se encontram no caminho. Quando chegar ao destino, espera-lhe um trilho de terra batida, um pouco íngreme, que não é particularmente difícil, mas requer alguma energia. 

Antes de iniciar a marcha, demore alguns minutos para contemplar a vista panorâmica e tire uma fotografia postal das piscinas naturais do Porto das Salemas, um dos ex-líbris da zona Norte da ilha.

A descida do percurso tem, aproximadamente, a duração de 20 minutos, a pé, até o pequeno refúgio azul (A subida, já é outra história). Mas no final, verificará que o seu esforço será recompensando com uma vista extraordinária. Assim sendo, é aconselhado a utilização de um calçado apropriado, nomeadamente um par de ténis.

A cada passo, somos surpreendidos pelo deslumbramento da paisagem. Ao longo da caminhada, o viajante sente-se abraçado pela envolvente paisagística, no qual consegue contemplar algumas formações vulcânicas piroclásticas e, no horizonte, o ilustre e solitário ilhéu “King Kong”, apelidado assim pelos locais, por se assemelhar ao formato da cabeça de um gorila. 

No fim do trajecto avistará uma zona de lazer, equipado com churrasqueiras e guarda-sóis. Um lugar pitoresco para reunir toda a família e amigos num belo piquenique. Mais uns passos em frente, e é revelado uma pequena praia, rodeada de calhau, que não é vigiada, e por esse motivo, todo o cuidado é necessário ao deambular entre os rochedos.

Contudo, o verdadeiro tesouro em tons azul turquesa e verde esmeralda encontra-se do seu lado direito. Por meros segundos é como se a playlist do Spotify estivesse a tocar a balada “Knockin' On Heaven's Door” (letra original de Bob Dylan), que convidam o viajante a entrar num lugar mágico. A maré baixa revela um cenário idílico, onde pode mergulhar num número infinito de piscinas naturais completamente cristalinas, esculpidas pela mãe natureza. São entre os flancos de lava que foram formadas as rochas vulcânicas que envolvem as piscinas de variados formatos. Ao cirandar de poça em poça, irá observar diferentes tipos de fauna marítima, tais como pequenos camarões, lapas, salemas e búzios.

Importa salientar também que as rochas estão cobertas de algas, que se tornam escorregadias e, por essa razão, deverá utilizar um calçado adequado para o meio aquático com uma sola antiaderente e deslocar-se lentamente, sem qualquer tipo de pressa.

Aos amantes da fotografia: tome nota, se pretende captar imagens ou fotografar as piscinas, com a utilização de um drone, saiba que não é possível, uma vez que o Porto das Salemas está situado perto da pista de aterragem do aeroporto. Pode tentar, mas não é recomendado.

Praia do Zimbralinho, um verdadeiro oásis em tons azul turquesa

Se acredita que para descobrir uma ilha paradisíaca com águas cristalinas e paisagens de cortar a respiração precisa de viajar para o estrangeiro, saiba que está completamente enganado. A partir da cidade de Lisboa, a 1 hora e meia de viagem de avião, encontra um pequeno paraíso português.

A ilha do Porto Santo, mais conhecida por Ilha Dourada, situada no meio do oceano Atlântico, oferece um clima ameno durante todo o ano. A influência da corrente marítima quente vinda do Golfo proporciona águas aquecidas, em que a temperatura do mar ronda, em média, os 20º C.

A beleza natural do Porto Santo é muito mais além do que o extenso areal de nove quilómetros. Apesar da maioria dos turistas, estrangeiros e portugueses, concentrarem os seus olhares nas praias paradisíacas, a ilha oferece outros cenários idílicos, nomeadamente as praias de calhau.

A praia do Zimbralinho é um desses exemplos e um dos segredos mais bonitos da ilha. Uma baía escondida, rodeada de falésias abruptas e dois rochedos, na parte central, que repousam no mar. É um sítio imperdível para passar um dia diferente, onde convida-o a mergulhar nas águas turquesas e cristalinas.

Ano após ano, este pequeno refúgio, conquista viajantes dos quatro cantos do mundo. E se é um verdadeiro amante de fotografia, saiba que assim que chegar a este magnífico oásis, a câmara fotográfica não irá parar de disparar.

Vista de drone da Praia do Zimbralinho

O Zimbralinho, caracterizado por um sítio geológico, é constituído por uma sequência de rochas vulcânicas submarinas, de natureza basáltica, com origem na fase de pré-emersão da ilha. Neste local é possível visualizar a presença de um filão mugearítico (resultado do magma consolidado), numa das arribas e que se expande até ao Pico do Espigão.

Como chegar?

Existem diversas opções para chegar a esta praia. Através, de terra, a acessibilidade é efectuada a pé, por carro, scooter, moto 4 ou até mesmo por bicicleta. Aconselhamos o aluguer de um veículo para visitar este local, bem como toda as atracções turísticas da ilha. Após passar pelo antigo centro hípico, vire à esquerda e continue a subir.

Chegará a um entroncamento de terra, no qual tem três opções: o Miradouro das Flores, onde consegue contemplar uma vista de 360º da magnífica baía do Porto Santo, o ilhéu de Cima, o ilhéu da Cal, o ilhéu de Baixo e o Pico da Ana Ferreira. É possível também observar, no lado sudoeste, a ilha vizinha, a costa norte da Madeira, em dias de céu limpo.

Outra rua, no centro, segue em direcção ao Zimbralinho e no lado direito com destino aos Morenos, uma zona de lazer para piqueniques e churrascos, onde também existe o miradouro do furado norte.

Excursão de caiaque até ao Zimbralinho

Se possui um espírito de aventureiro, poderá realizar o trajecto pelo mar. A empresa turística, Porto Santo Destinations Tours, gerida pelo guia Matias Teixeira, proporciona uma excursão de caiaque até ao Zimbralinho, com duração de 1 hora e meia e que tem o custo de 25 euros.

Crianças com menos de 12 anos não pagam. Não é necessário ter uma experiência prévia nesta actividade, uma vez que o instrutor irá dar dicas simples de como manusear os remos. O passeio inicia-se na praia da Calheta, onde é disponibilizado todo o material que irá necessitar. Ao longo da viagem irá desfrutar das belas grutas com formações rochosas vulcânicas e as escarpas, esculpidas com tubos de lava.

Viagens de semi-rígido

Existe ainda outro operador turístico, "Mar Dourado - Actividade Marítimo-Turísticas", dirigido pelo Nélio Mendonça, um verdadeiro amante do mar, que dispõe viagens no semi-rígido, no qual leva os turistas a observar baleias, golfinhos, tartarugas marinhas e os ilhéus da costa sul. O Porto de Abrigo é o ponto de partida e durante a viagem, costumam parar neste local estratégico, o Zimbralinho.

A “Mar Dourado” também oferece outro tipo de serviços, como a pesca submarina ou visita ao ilhéu de cima ou do Farol. A visita aos ilhéus tem o custo de 35 euros (adultos) e 20 euros (crianças dos 4 aos 11 anos); a observação de cetáceos 45 euros (adultos) e 25 euros (crianças) e está incluída uma degustação de produtos regionais, como o bolo do caco, as broas de mel, fruta da ilha e vinho Madeira.

Nestas actividades náuticas, recomendamos levar uma máscara de snorkeling para observar as diferentes espécies de peixes que por lá passeiam e que já estão tão habituados à presença dos visitantes.

Acesso à praia do Zimbralinho

Localizada na costa Oeste da ilha, é uma praia selvagem não vigiada e o acesso é realizado a pé, por um caminho íngreme de terra batida, em que deve ter todo o cuidado quer na descida, quer na subida. Deste modo, deverá tomar as devidas precauções e verificar as condições do terreno, assim como as condições meteorológicas, de forma a não colocar em perigo a sua integridade e a dos outros visitantes.

Tenha a especial atenção de quando chegar à praia, não ficar perto das falésias, uma vez que a sinalética no local alerta para a eventualidade de queda de pedras.

Nos últimos anos, a ilha do Porto Santo é cada vez mais considerada como destino turístico de eleição. A praia de areia fina e dourada é, sem dúvida, a marca da ilha, mas não é a única razão para visitar este paraíso. A beleza primitiva da zona do Zimbralinho tem um poder de encantar todos os que ali passeiam.